Imposto de Renda: o que eu preciso declarar?

Conheça as 10 categorias em que o abatimento no Imposto de Renda é possível

No modo geral, falando em sociedade, o Imposto de Renda é um tributo federal sobre a renda – como já diz o nome. Ou seja, sobre o que você ganha! Esse imposto é aplicado para melhorias sociais, como os programas Bolsa Família e o Fome Zero. Além disso, nos programas de reforma agrária, saneamento e revitalização de cidades, recuperação e construção de estradas, bem como incentivos à produção agrícola e industrial, etc.

Mas, o que é preciso constar na declaração? Com intuito de esclarecer essa questão, a Vivence Soluções preparou esta lista com as 10 categorias em que o abatimento no Imposto de Renda é possível. Então, vamos lá!

1. Despesas com a educação:
  • educação infantil (creches e pré-escolas);
  • ensino fundamental;
  • ensino médio;
  • educação superior (graduação, pós-graduação, mestrado, doutorado e especialização);
  • educação profissional (ensino técnico e tecnológico).
2. Despesas com a saúde:
  • consultas particulares;
  • médicos;
  • hospitais;
  • exames;
  • tratamentos dentários (exceto clareamento dental);
  • fisioterapia;
  • plano de saúde;
  • tratamentos psicológicos e psiquiátricos;
  • próteses e despesas com cadeira de rodas;
  • cirurgias plásticas relacionadas à saúde;
  • tratamento de saúde no exterior.

Sobretudo, é importante ressaltar que se o plano de saúde for pago pela sua empresa, você não pode abater essa despesa do Imposto de Renda. Mas, caso você tenha pago consulta ou exame do seu bolso e foi reembolsado parcialmente pelo plano de saúde, poderá declarar a diferença entre o valor gasto e o reembolsado.

3. Contribuição ao INSS:

Contribuição à previdência social, de qualquer tipo, pode ser abatida na declaração, tanto se for descontada na folha de pagamento do trabalhador, quanto recolhida por autônomos.

4. Previdência privada:

Se caso você tiver plano de previdência privada PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), poderá reduzir a base de cálculo do IR em até 12%. No entanto, o mesmo não vale para os planos VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Essa regra também serve para o Fundo de Aposentadoria Programada Individual (FAPI)

5. Pensão alimentícia:

Inclusive, o pagamento de pensão alimentícia determinado pela Justiça também pode ser abatido do Imposto de Renda, sem um valor limite. Porém, só se pode abater a pensão se ela tiver sido proposta por um juiz.

6. Dependentes:

Cada dependente que você adicionar na declaração, lhe garante um abatimento de R$ 2.275,08 na base de cálculo do seu imposto de renda.

7. Livro-caixa de profissionais liberais ou autônomos:

As despesas registradas no livro-caixa, em decorrência do exercício da sua atividade, também podem ser abatidas, como: aluguel, conta de água, luz e telefone, além de outros tributos pagos, tais  como o IPTU, ISS (Imposto Sobre Serviços) e o próprio INSS do profissional autônomo, caso contribua.

8. Honorários advocatícios quando houver rendimento de processos judiciais:

Se, por acaso, você teve despesas com um advogado e ganhou algum rendimento tributável por decorrência da ação, poderá abater o valor gasto com os honorários no Imposto de Renda.

9. Aluguel:

Existe um único caso em que você pode abater o aluguel pago: o da sublocação. Isto é, quando você aluga um imóvel para alugá-lo para outra pessoa, ele está sublocando.

10. Doações:

Contudo, este é o único caso em que você pode abater diretamente do imposto devido, e não da base de cálculo do imposto. Sendo assim, se você fez alguma doação para instituições que se encaixam nas regras de doações incentivadas pelo governo federal, dependendo das doações, poderá abater até 6% do imposto devido.

Aumente a sua restituição do Imposto de Renda

Enfim, essas são as 10 categorias em que o abatimento no Imposto de Renda é possível. Algumas pessoas se perguntam, por exemplo, se o seguro do carro, material de construção ou IPTU residencial podem ser abatidos. Porém, tudo que não se encontra nas categorias citadas, não pode ser abatido.

Contudo, se o Leão entender que você pagou mais imposto do que deveria, o que ele considerar que você pagou a mais será devolvido, a chamada restituição. Como resultado, quanto mais abatimentos você tiver, mais poderá receber de restituição.

Qual é o seu perfil de Investidor?

Descubra qual é o seu perfil de Investidor?

Para saber qual a aplicação mais rentável para você, é preciso, primeiramente, saber qual o seu perfil de investidor. Você sabe qual é o seu? Afinal, todos possuem um perfil de investidor, mesmo que ainda não saiba qual. No entanto, isso é algo ligado a sua personalidade, estilo de vida e objetivos.

Também chamado de suitability, o perfil de investidor é uma análise para a identificação da sua tolerância aos riscos x ganhos e os investimentos mais adequados, com a intenção de lhe trazer os rendimentos esperados. Por isso, é fundamental conhecer o seu perfil de investidor!

Os diferentes tipos de perfil de Investidor

O perfil de investidor se classifica em três tipos, dos quais são:

Conservador

Esse tipo de investidor prioriza a segurança em suas aplicações.

  • Poder se beneficiar de ganhos a longo prazo.
  • A falta de liquidez é um aspecto que o incomoda.
  • Prefere investimentos em produtos de baixo risco, bem como: Tesouro Direto, LC, LCI/LCA, CDB, Fundos de renda fixa.

Moderado

Esse investidor está entre os conservadores e os arrojados.

  • Gosta de segurança, mas já opta por investimentos mais arriscados dependendo da situação.
  • Possui mais conhecimento do mercado e um patrimônio em crescimento.
  • Tem a segurança da renda fixa, mas também aplica parte de seus recursos em renda variável.

Arrojado

Esse investidor não sente muito frio na barriga.

  • Entende que as perdas a curto prazo são momentâneas e necessárias.
  • Assume posições mais concentradas com estratégias, a fim de alcançar um maior retorno.
  • Possui preparo técnico e emocional para acompanhar as oscilações do mercado.

Inclusive, A maioria dos bancos digitais, ao abrir a sua conta, já informam, na hora, o seu perfil e as recomendações para destinar o seu dinheiro com segurança.

E aí, se identificou com algum destes perfis? Conte pra gente: que tipo de investidor você é?

6 Dicas (Infalíveis) Para Sair Do Endividamento!

Você está buscando se livrar das dívidas e limpar o seu nome em órgãos de proteção ao crédito? Pois bem, a Vivence Soluções preparou essas seis dicas (infalíveis) para te ajudar a sair dessa!

Contexto Histórico

A princípio, desde a instauração do Plano Real (1994), o programa brasileiro que surgiu com o objetivo de acabar com os altos índices de inflação, permitiu-se o crescimento do mercado de crédito brasileiro, antes impossibilitado por causa das altas taxas de inflação.

Em resumo, a expansão do mercado de crédito refletiu diretamente na trajetória da atividade econômica, contribuindo para uma maior taxa de crescimento econômico no Brasil. No entanto, essa cultura do crédito levou o consumidor a ter uma certa indiferença quanto às taxas de juros em si (custo real), sendo o valor e o número das prestações mais importantes do que o próprio custo do financiamento.

Hoje, quase três décadas depois, por não se atentar ao custo total dos financiamentos, os juros das faturas viraram uma ‘bola de neve’ e essa cultura do crédito acabou tornando-se de fato um pesadelo para muitos brasileiros.

Dicas (infalíveis) para sair do endividamento

Pois então, observando essa dificuldade em sair do endividamento, a Vivence Soluções preparou essas seis dicas infalíveis para você sair do aperto e conquistar a tranquilidade de ter todas as contas em dia.

1. Coloque todas as suas contas no papel!

Primeiramente, anote tudo! Desde as receitas, tanto fixa, variáveis, como extra, as despesas essenciais e não-essenciais e os seus investimentos, sejam eles: poupança, seguros, consignados, etc.

2. É fundamental você saber quanto deve!

Portanto, faça um planejamento financeiro: analise primeiro o que cabe no seu bolso e comece quitando pelas taxas de juros mais altas. 

3. Possui investimentos ou renda extra?

Além de poupar com os gastos não essenciais, buscar uma renda extra ou novas alternativas de investimentos são ótimas opções para te ajudar na atual situação financeira. 

4. Já tentou renegociar suas dívidas?

Afinal, pode ser viável renegociar suas dívidas caso o financiamento oferecido pela sua financeira possua taxas de juros inferiores ao do parcelamento atual. Se informe!⠀

5. Fazer um empréstimo é uma opção!

Por isso, vale a pena comparar! Já que, na maioria das vezes, a taxa de rendimento de seus investimentos é menor que os juros pagos pelos empréstimos.

6. A ideia de que a dívida vai “vencer” e parar de existir é falsa!

A verdade é que o seu registro é retirado dos departamentos de crédito após cinco anos. Mas, ainda assim, a dívida continua existindo e segue aumentando, por conta dos juros das parcelas.

Enfim, gostou do conteúdo? Comente, compartilhe com seus amigos e salve para você não esquecer! Ou ainda, se preferir, entre em contato com a Vivence Soluções para que possamos te ajudar a sair dessa.

Sobre a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica)

Entenda agora como funciona a NF-e (abreviação para Nota Fiscal Eletrônica), quais os benefícios e mantenha os impostos em dia.

Anteriormente, já falamos aqui no blog sobre “Nota Fiscal – Qual a importância e por que emitir?“. E quanto as atualizações para a NF-e (abreviação para Nota Fiscal Eletrônica)?

Desde o início, o projeto está sob-responsabilidade do ENCAT (Encontro Nacional dos Administradores e Coordenadores Tributários Estaduais), em colaboração com a Receita Federal do Brasil (RFB). Assim, a Nota Fiscal Eletrônica se sucedeu com o objetivo de instaurar um novo modelo de documento fiscal para substituir os papéis.

Consequentemente, é comum surgir dúvidas à respeito da NF-e, decorrente aos avanços e adaptações tecnológicas. Então, as empresas podem identificar alguns tipos de nota fiscal, de acordo com a função e sua atividade econômica. Dentre elas, as mais comuns são: NF-e, NFC-e e o SAT – que vêm para suprir o  Cupom Fiscal (ECF), a NFS-e e o CT-e.

Apresentação

Por conseguinte, a NF-e é um documento fiscal emitido e armazenado eletronicamente, a fim de documentar operações e prestações.

Nessa situação, antes de gerá-la, a validade jurídica é garantida via assinatura digital e autorizada pela unidade de administração tributária federal.

Logo, a NF-e apresentou diversos benefícios após o seu surgimento, tais como:

  • redução de custos com impressão e papel
  • incentiva o uso de novas tecnologias
  • agilidade nos processos de controle fiscal
  • gera um impacto positivo ao meio ambiente
  • armazenamento de arquivos em nuvem de dados
  • redução o tempo de entrega das mercadorias

Como funciona?

O DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) é uma simplificação da NF-e, mas sem valor fiscal. Sendo assim, nos casos em que não é possível divulgar os dados – como em casos de transportadoras que precisam do documento em mãos. Pois, nele contém a chave de acesso on-line, para eventuais consultas.

Mas, caso aconteça algum extravio de documentos, ou algum desastre no banco de dados, é possível fazer consultas, baixar seus arquivos XML e imprimir documentos. Para isso, acesse o Portal Nacional da NF-e no endereço www.nfe.fazenda.gov.br e utilize a chave que consta na DANFE. E também, acesse o site do Ministério da Fazenda para conhecer melhor sobre o projeto e suas especificações.

Já o arquivo XML, contém todas as informações fiscais e a assinatura eletrônica. Por isso, é fundamental armazená-lo por pelo menos cinco anos.

Enfim, ficou com alguma dúvida ou interessado em saber mais sobre a implantação da NF-e?

Então, deixe seu comentário ou entre em contato com a Vivence Soluções – Administrativas, estamos à disposição.

Nota Fiscal – Qual a sua importância e por que emitir?

A Nota Fiscal é um documento de suma importância, tanto para as empresas como para os clientes.

Visto que, por meio deste registro, é possível comprovar a efetivação de uma venda ou prestação de serviço realizado.

Dentre algumas questões burocráticas, a emissão de nota fiscal é atribuída às empresas que colaboram com o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) ou para o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

No geral, a Nota Fiscal se torna fundamental para negócios enquadrados no regime Simples Nacional ou MEI (Microempreendedor Individual). Pois, esse documento fiscal, permite facilitar o gerenciamento com base nos registros de vendas e impostos incidentes.

Assim como, a Nota Fiscal também se torna fundamental para o cliente poder obter algumas vantagens. Dentre os benefícios, tais como o direito ao suporte técnico em assistências autorizadas e o crédito fiscal.

Ainda que as Notas Fiscais sejam um embasamento para o setor contábil da empresa, é relevante mantê-la atualizada. Afinal, esse documento não é somente benéfico para o negócio, mas também para terceiros envolvidos (clientes e contabilidade).

Em virtude de ser um comprovante, de um serviço ou uma compra efetuada, o documento fiscal pode ser utilizado para registros financeiros, tanto para a empresa quanto para o cliente/consumidor.

É importante ressaltar: a emissão de notas fiscais é obrigatória!

De acordo com a Lei 8.846/94 – Artigo 1º, mesmo que as empresas descumpram essa determinação, as mesmas estariam desrespeitando a legislação e cometendo crimes tributários.

No entanto, a emissão do documento fiscal prova que sua empresa está em dia com a legislação – tributos governamentais. Esse é um detalhe que favorece a segurança e credibilidade do seu negócio, seja com clientes, seja com fornecedores.

Em breve, falaremos sobre a NF-e (Nota Fiscal Eletrônica) e seus benefícios.

Caso houver dúvidas sobre regularizações financeiras e tributárias, entre em contato com a Vivence Soluções Administrativas, será uma satisfação lhe atender.

Organização Empresarial

A Organização Empresarial é um sistema constituído por duas ou mais pessoas jurídicas, coordenadas à executar funções. Dividindo incumbências e responsabilidades, mas que visam atingir metas em comum e que beneficie o coletivo.

No entanto, ainda que o empreendimento aparenta ser favorável, constantemente as empresas correm riscos de estimular a involução do negócio por falta de administração.

De acordo com o dicionário da língua portuguesa, organização é o ato ou efeito de organizar; constituição física; estabelecimento ou firma comercial, empresarial, industrial, bancária etc. Partindo deste pressuposto, uma empresa pode ser estruturada baseada nos seguintes vieses: a finalidade econômica, a estrutura, o porte e abrangência.

É importante analisar os diversos modelos de organização empresarial para se consolidar no mercado e alcançar os objetivos propostos.

Assim, definida a segmentação de seu empreendimento, seja prestação de serviço ou comercialização de produtos, nos deparamos com múltiplas tarefas – principalmente burocráticas – que exigem tempo e atenção.

É preciso, então, evitar que os papéis se acumulem na gaveta!

  • Gestão de processos

Para um bom funcionamento da empresa, é importante levar em consideração a organização de vários processos, tais como: organizar fluxo de entrada e saída, emitir Notas Fiscais de serviços ou produtos, pagar contas, cobrar clientes, definir funções dos colaboradores… E ainda realizar o trabalho em tempo hábil!

O gerenciamento de tempo promove medidas para ampliar as tarefas, utilizando menos recurso para aumento da produtividade. Assim, o funcionário passa a focar na função de maneira precisa.

Um corpo de funcionários com funções bem definidas e estruturadas é fundamental para o funcionamento da empresa. Porém, é preciso ter algumas limitações para que não ocorra confusão quanto a real função de cada colaborador.

A integração entre equipes incentivando-os a se relacionar, ajuda a conscientizar cada um sobre seu papel dentro da organização e o quanto a importância da divisão de tarefas gera resultados satisfatórios.

Estar preparado para agir com rapidez nas tomadas de decisões é importante para evitar riscos maiores futuramente.

Esse processo é difícil e exige inteligência emocional para lidar com os impasses.

  • Logística

Apesar de as pessoas confundirem transporte e armazenamento com logística, porém, há  mais fundamentos por trás dela.

Advinda do francês ‘logistique’, originalmente significa o transporte, abastecimento e alojamento de tropas. Isto é, refere-se à arte de planejar e desenvolver vários projetos, com a gestão de materiais e a entrega de produtos.

Assim, considerada ser uma atividade primordial para a administração de empresa, a logística é responsável por organizar as atividades de uma organização. Dessa forma, estudando cada uma delas, provendo recursos e informações para uma execução com qualidade e otimização do tempo.

Os benefícios de uma boa gestão logística, são claros: maior visão do empreendimento, agilidade dos processos e desenvolvimento de projetos diferenciados. Contudo, tais decisões geralmente são relacionadas com os valores pessoais do empresário, baseados no que ele conhece ou experimentou.

Por essa razão, Herbert Simon, o precursor da Teoria das Decisões, define os seguintes elementos para se levar em consideração:

  • O tomador de decisões,
  • Objetivos
  • Preferências,
  • Estratégias,
  • Situação
  • Resultado.

Enfim, quanto maior a empresa, consequentemente maior suas responsabilidades. Partindo deste pressuposto, uma solução rentável para resolver a gestão dos processos é terceirizar as funções administrativas e financeiras de seu negócio.

Visando melhorar a estrutura da empresa, a qualidade do serviço e progredir com uma boa organização empresarial, entre em contato com a Vivence soluções Administrativas. Será uma satisfação lhe atender!